quarta-feira, 16 de abril de 2014

Saída temporária = aumento da violência?


Feirante assassinado no São Francisco foi uma das vítimas

Feirante assassinado no São Francisco foi uma das vítimas (Foto: Douglas Jr.)
Coincidência ou não, foi só a Justiça liberar, ontem, 230 presos para a saída temporária daSemana Santa que a violência disparou na região metropolitanade São Luís. Desde que as mais de duas centenas de sentenciados ganharam as ruas para gozar o benefício previsto pela lei penal, nada menos que cinco assassinatos foram registrados na capital. Entre as vítimas estavam uma menina de nove anos e dois comerciantes.
O clima ficou tenso já no momento em que os apenados deixavam o Complexo Penitenciário de Pedrinhas. Dois homens armadosforam detidos pelo Batalhão de Choque quando observavam o movimento no portão do presídio no momento em que os detentos eram liberados. A polícia suspeita que eles estivessem à espreita de um dos presos para executá-lo.
Nas horas seguintes, houve uma sucessão de assassinatos. Dentre as vítimas estavam uma menina de nove anos, vítima de bala perdida na Vila Fialho, um feirante, pai de uma preso morto e decapitado em Pedrinhasano passado, no São Francisco; e o dono de um depósito de material de construção, executado a tiros no Residencial Paraíso, na área Itaqui-Bacanga, sob a suspeita de vingança. Os outros dois homicídios aconteceram no Jaracati e na Cidade Olímpica.
Não há qualquer dado ou outro elemento técnico que confirme a relação entre a saída temporária de presos e o aumento da criminalidade. Por outro lado, são muitos os exemplos de detentos mortos ou envolvidos em assaltos, assassinatos e outros crimes em pleno período de vigência do benefício. Como agravante, tem o fato de que cerca de 30% dos beneficiados não retornam aos presídios ao fim do prazo da saída temporária e voltam a enveredar pelo mundo do crime.
Daí a necessidade de um estudo mais aprofundado das causas e consequências da violência na capital e demais municípios da região metropolitana.

repercussão da violência em Pedrinhas


Deputada Eliziane Gama quer discutir o assunto
A problemática da segurança pública e a crise no sistema penitenciário do Complexo de Pedrinhas voltou a ser destaque hoje na Assembleia Legislativa. A deputada estadual Eliziane Gama (PPS) voltou a pedir solução para o problema.  Ela alertou para a repercussão da violência que ocorre dentro do sistema carcerário do Maranhão.

Eliziane Gama lamentou a quantidade de mortes no sistema prisional do estado, que segundo informações recebidas pela parlamentar já chega até agora a 10 mortes. Para a parlamentar, se medidas sérias não forem tomadas, os atos de violência continuarão atingindo a sociedade, como os atentados a ônibus que ocorreram em janeiro, onde pessoas foram queimadas vivas.

“Em menos de três dias chegamos a três mortes no sistema prisional. Portanto, dez mortes no Maranhão, e sete só aqui na Penitenciária de Pedrinhas. O problema é gravíssimo, e se não é resolvido, temos uma repercussão para fora, para a sociedade, deixando inclusive a população numa situação de instabilidade”, alertou a deputada Eliziane Gama.

Com informações da Assembleia Legislativa

terça-feira, 15 de abril de 2014

Bira apoia reserva de vagas para trabalhadores maranhenses da área da construção civil pesada

Uma comitiva de trabalhadores da área da construção civil pesada ocupou as galerias da Assembleia Legislativa do Maranhão, na manhã desta terça-feira (15), para denunciar a exclusão de maranhenses em obras de empresas da construção pesada.
A categoria protesta contra o desrespeito a convenção da categoria que estabelece pelo menos 70% da mão de obra para os maranhenses. Para o deputado Bira do Pindaré (PSB) a realidade vivida pela categoria é a realidade de todos os trabalhadores do Maranhão.
A situação dos trabalhadores contraria a propaganda que o Governo do Estado faz e a ideia de desenvolvimento através dos grandes empreendimentos. Bira lembrou que a ALUMAR anunciou a demissão de 500 funcionários e a utilização de trabalhadores de outros estados precariza a mão de obra local.
Segundo os trabalhadores, mais de 2000 homens estão sendo prejudicados e sofrendo as dificuldades. A categoria tem uma reunião com o Ministério Público do Trabalho agendada para tratar desta temática nesta quarta-feira (15). Os trabalhadores apresentaram um Termo de Ajustamento de Conduta com as empresas para que os maranhenses sejam respeitados na sua contratação. 
“O governo pode ajudar nisso, o governo pode intermediar isso, o governo pode chamar essas empresas para a responsabilidade, porque não fazem? Porque não tomam essa iniciativa? A Governadora disse que vai ficar até 31 de dezembro, já que ficou ao invés de ficar jogando baralho, trabalhe pelo povo, ajude o Maranhão a sair dessa agonia, é isso que nós pedimos, é esse o nosso apelo e essa é a nossa luta”, protestou Bira.

Santa Inês, um mar de lama

lama santa inês4
Santa Inês transformou-se em um verdadeiro mar de lama neste período chuvoso. Aliás, desde que o prefeito Ribamar Alves (PSB) assumiu o mandato, em 1º de janeiro do ano passado. Quase todas as vias da cidade ficam intrafegáveis a cada temporal. Há quase 16 meses no cargo, o gestor nada faz para resolver ou pelo menos amenizar o problema.
Cobertas de lama, ruas importantes como as do Mercado e da Pedra Branca estão praticamente intrafegáveis. Comerciantes reclamam dos prejuízos, pois poucas as pessoas se arriscam a transitar nas duas vias, seja a pé, seja de carro, por medo de ficar atoladas.
Castigada pelas chuvas, Santa Inês vem sendo maltratada também pelo seu principal gestor, que trata questões cruciais como a infraestrutura com descarada omissão.
Em meio ao descaso, a lama espalhada nas ruas apenas reflete a sujeira e o descaso que marcam a atual gestão.
Abaixo, fotos da Rua da Pedra Branca, uma das mais movimentadas e abandonadas de Santa Inês:
lama santa inês
lama santa inês2
lama santa inês3
lama santa inês5
lama santa inês6
Fotos: reprodução/Facebook

Em nota, PDT/MA reafirma indicação de Márcio Honaiser a pré-candidato a vice-governador

Afirmação foi ratificada pelo presidente do PDT/MA, Julião Amim, em reunião na sede do partido.

Em nota, emitida na manhã desta terça-feira (15), o Partido Democrático Trabalhista do Maranhão (PDT/MA)reafirmou a escolha do partido sobre o nome indicado para compor a chapa majoritária com o pré-candidato ao governo do estado, Flávio Dino. Conforme afirmou o presidente estadual da sigla, Julião Amim, “a escolha do MárcioHonaiser foi uma decisão democrática dentro do partido, aprovada por todas as instâncias do PDT. Definimos acertadamente pelo nome de um homem que milita desde muito jovem e é comprometido com os ideais de nosso partido. Aguardamos agora somente a decisão do colegiado dos partidos da oposição”, declarou o presidente estadual do PDT/MA